Já se passaram 90 dias. Tempo em que nossas portas tiveram de ser fechadas, mas que as janelas da força, resistência e esperança se abriram. 90 dias em que assumimos o desafio de manter, de longe, uma relação que sabíamos fazer de perto. 90 dias que crianças e pais sentem falta de tudo o que significa a escola. 90 dias em que a importância desse lugar ganhou ainda mais evidência. 90 dias em que família e escola se uniram de forma histórica para manter esse sonho vivo. Abrimos mão de tudo o que era mais importante e essencial: as relações. São 90 dias sem abraços, sem o toque, sem ver o olhar de satisfação após uma pequena conquista, sem ver pessoalmente esse sorriso de alegria.

Escolhemos educar e cuidar de crianças, pois acreditamos que, somente com a educação, poderemos ter um mundo de mais empatia e respeito. Aceitamos dividir com as famílias essa tarefa complexa e essencial. Nunca esperamos que fosse fácil, mas acreditamos que, juntos, somos capazes de construir coisas inimagináveis.

A escola, agora, tem novos contornos. Aceitamos o desafio de viver essa transformação que o mundo nos pediu. Aprendemos uma verdade fundamental: mesmo fisicamente distantes, estamos conectados por um fio invisível que nos une e nos move para o futuro, quando poderemos novamente nos abraçar e sentir o poder das relações. São 90 dias de muitos desafios e aprendizados, mas, sobretudo, de saudade.